Solução com identidade própria da Instituição para acordos judiciais online

Carimbo do Selo CNJ

A Plataforma MOL está em conformidade com a Resolução n.358 do CNJ

Entre em contato

A MOL é uma empresa pioneira de resolução de conflitos online, atua desde 2016 no mercado privado atendendo grandes empresas. No início da pandemia da COVID-19 criou a campanha "A Justiça não vai parar" e disponibilizou gratuitamente sua plataforma a todos os órgãos do Poder Judiciário.

Case de Sucesso

Resultados Piloto de Conciliação Online no CEJUSC Central Capital

Taxa de comparecimento nas sessões online

70,3% na MOL

49%

de comparecimento telepresencial pelo Teams

Fluxo 100% digital

1.112 em um ano

audiências pautadas

Celeridade em

51%

dos casos resolvidos em até 2 semanas

Resultados Piloto de Negociação Online no 1 JEC Capital

40% a menos

no volume da pauta de audiências

453% de ganho

de eficiência de tempo da fase autocompositiva

136 dias

tempo médio para uma audiência de conciliação

30 dias

tempo médio com a negociação assíncrona MOL

Empresas que já utilizam a MOL

Logo ItaúLogo BradescoLogo Banco PanLogo Banco BMGLogo SicrediLogo C6 BankLogo RecoveryLogo DMLogo Agi Bank
Logo MagaluLogo Mercado LivreLogo PetzLogo WepinkLogo MondialLogo MadeiraMadeiraLogo FacilyLogo MultilaserLogo Marabraz
Logo ClaroLogo OiLogo LightLogo CopelLogo EnelLogo Grupo JCALogo WebMotorsLogo MapfreLogo Pier
Logo LATAMLogo CVCLogo ExpediaLogo Booking.comLogo MaxMilhasLogo Grupo DPSPLogo OdontoprevLogo Cogna
Logo DexcoLogo SococoLogo BritaniaLogo MondelezLogo PositivoLogo ProjurisLogo Brainlaw
Logo TJESLogo Associação Comercial de São PauloLogo KauffmanLogo Coelho e MorelloLogo PG Advogados
Selo Prêmio Conciliar é Legal CNJ

Premio Conciliar é Legal CNJ

A MOL em parceria com o Banco Itaú, venceu em 2018, com o case "Caminho para o resgate financeiro de empresa e créditos através da mediação online". 

 

"A prática sagrou-se vencedora pelas próprios méritos: eficiência e efetividade na resolução de conflitos de baixa complexidade, embora de grande repercussão social". Daldice Santana, Conselheira do CNJ.